ARARIPINA

ARARIPINA

GOVERNO PE

SQS

SQS

HMSM 50 ANOS

HMSM 50 ANOS

O BLOG NO FACEBOOK

quarta-feira, 17 de maio de 2017

CASA DOS VENTOS - BRITÂNICOS COMPRAM PARQUES EÓLICOS DE PERNAMBUCO

Criada pela Actis, a Echoenergia passa a ser a dona dos complexos eólicos Ventos de São Clemente, em Pernambuco, e Ventos de Tianguá, situado no Ceará. Responsáveis por uma geração de 216 Megawatts (MW) e 130 MW por hora/ano, respectivamente, os parques pertenciam à Casa dos Ventos, um dos principais players do mercado de energia renovável no Brasil. Juntos, têm capacidade para atender 650 mil casas. O processo de venda dos ativos foi iniciado no segundo semestre de 2016 e acontece para que a companhia siga investindo em outros projetos de sua carteira, considerada a maior do País. 

Segundo o diretor da Casa dos Ventos, Lucas Araripe, durante o processo de venda, houveram diversos interessados, o que reforçou a solidez da companhia para novos investimentos. "Aproximadamente seis meses depois resolvemos seguir com a Actis, fundo de investimento britânico que já tem bastante experiência no Brasil", explicou, destacando que, de outubro de 2015 até novembro de 2016, foram desenvolvidos e implantados cinco complexos eólicos, totalizando 1,1 GW e R$6,5 bilhões de investimento. No início de 2016, dois deles foram vendidos para a canadense Cubico.

"Esses movimentos visam reciclar nosso capital para nos mantermos investindo no setor. Com a liquidez da venda desses ativos, a Casa dos Ventos se torna mais competitiva para os próximos leilões, tendo a capacidade de implementar as obras em ritmo acelerado", ressaltou Araripe. Prova disso é que a empresa deve concluir, no próximo mês, um dos seus mais recentes empreendimentos na divisa entre o Estado e o Piauí, o Ventos do Araripe III, com produção de 359 MW por hora/ano. Quando estiver operando em sua totalidade, o empreendimento se tornará um dos maiores complexos eólicos da América Latina, que, isoladamente, é maior do que Tianguá e São Clemente juntos. Um dos maiores complexos da América Latina, ele será composto por 14 parques e 156 aerogeradores.

Diretor de Energia da Actis para o Brasil, Sérgio Brandão disse que “a aquisição demonstra o comprometimento da Actis para com o Brasil, o maior mercado de energia da América Latina”. Edgard Corrochano, CEO da Echoenergia, complementa que “esta operação é o primeiro passo na construção de uma nova plataforma de geração eólica da Actis no Brasil, a qual será seguida por outros investimentos nos próximos anos”. O valor da transação, contudo, não foi revelado. 

Hoje, a Casa dos Ventos possui 15 GW e, com os recursos obtidos, pretende seguir investindo na viabilização destes projetos. A meta é figurar como o maior desenvolvedor eólico e um dos principais geradores da fonte. Nos próximos dois anos, o desejo é investir em aproximadamente 500 MW de novos projetos, o que demandaria um investimento na ordem de R$ 3 bilhões. "A fonte eólica tem sido muito importante para o Nordeste neste cenário de crise hídrica, sem a qual estaríamos enfrentando problemas de abastecimento", afirmou Lucas Araripe, diretor da Casa dos Ventos.

Da Folha de Pernambuco

Nenhum comentário: