ARARIPINA

ARARIPINA

GOVERNO PERNAMBUCO

FLOCÃO NOVO MILHO

ALIANÇA

SQS

SQS

HMSM 50 ANOS

HMSM 50 ANOS

O BLOG NO FACEBOOK

sábado, 25 de fevereiro de 2017

PETROLINA - FREVO MARCA CARNAVAL NOS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL

O clima de carnaval já tomou conta de Petrolina. No circuito oficial a folia começa neste sábado (25), porém, para os pacientes das três unidades do Centro de Atenção Psicossocial de Petrolina (CAPS), a festa começou na última terça-feira (21) e encerrou nesta quinta-feira (23).

Foram três dias de muita animação e muito frevo. O encerramento, que aconteceu no Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD III), contou com as presenças da secretária municipal de saúde, Magnilde Albuquerque, e da diretora técnica em saúde, Ana Carolina Freire.

A coordenadora da unidade, Mariana Almeida, destacou a importância de promover esses momentos de integração para os pacientes em que são realizadas rodas de conversa com orientações de profissionais da saúde. Ela ressaltou que por ser uma festa em que o uso de drogas e bebida alcoólica são intensificados, é importante orientar e preparar esse público.

“Desde o início de fevereiro que a gente começou a fazer algumas programações com eles. A decoração foi toda confeccionada pelos pacientes nas aulas de artesanato, tivemos momentos de discussões sobre redução de danos durante o carnaval, não abusar no consumo de álcool e usar camisinha durante as relações sexuais. Então, encerramos as atividades com a nossa festa e com a entrega de certificados do curso de padeiros que eles fizeram no ano passado”, destacou.

A psicóloga Nayara Trocoli, destacou que essa foi mais uma oportunidade da equipe gestora se aproximar dos pacientes e dos seus familiares, além de apresentar o serviço à comunidade. “A gente entende que a família é fundamental no tratamento do paciente. Esse é um serviço especializado para o uso abusivo de álcool e drogas, mas além disso, a gente tenta tratar outras questões, como a relação com a família, trabalho e autonomia. Questões que influenciam no tratamento”, frisou.

Seu Elias Rodrigues, 44 anos, frequenta o CAPS há oito anos e há dois anos e dois meses está livre do cigarro. Ele conta que repassa as orientações que recebe na unidade para os amigos. “Eu sempre digo que aqui é como uma família. Eu passo mais tempo aqui do que em casa. Eles conversam com a gente e nos orientam ao contrário de casa que é cada um para seu lado”, ressaltou.

Da ASCOM

Nenhum comentário: