ARARIPINA

ARARIPINA

GOVERNO PERNAMBUCO

FLOCÃO NOVO MILHO

ALIANÇA

SQS

SQS

BANNER DAVID

BANNER DAVID

HMSM 50 ANOS

HMSM 50 ANOS

O BLOG NO FACEBOOK

domingo, 15 de janeiro de 2017

PERNAMBUCO - MAPA POLÍTICO ATESTA HEGEMONIA DAS FAMÍLIAS

O mapa político pernambucano, desenhado nas últimas eleições, atestou a hegemonia de famílias tradicionais no poder. E este retrato traduz um fenômeno histórico, e recorrente, que se perpetua ao longo das gerações. No último dia 1, tomaram posse 61 prefeitos (veja a lista aqui) com sobrenomes influentes ou parentesco com lideranças da política estadual. Um poder que nos próximos quatro anos irá dominar receitas municipais que vão desde os R$ 23.410.625,40 de Brejão, comandada por um herdeiro da família Cadengue (Beto Cadengue), até os R$ 1.162.240.000 de Jaboatão dos Guararapes, sob liderança de um dos rebentos da família Ferreira (Anderson Ferreira).

A ascensão dos representantes desses grupos não é mero acaso. Seu poder é proveniente de uma estrutura que cria raízes nos municípios e se espalha por outras esferas, elegendo seus integrantes no Executivo e Legislativo. Dessa forma, eles criam uma verdadeira rede para manter sua força e influência nos redutos eleitorais. São sobrenomes que se repetem por décadas no comando das mesmas cidades, se espalham por mais de um município, chegam aos parlamentos e são transferidos de pai para filhos, esposas, irmãos, sobrinhos e primos. 

Uma prática que vem adquirindo novas formas, mas que está na história política do País desde a queda do Regime Monárquico e a instauração da República, em 1889.

Tentáculos

O poder nos municípios na manutenção dos clãs familiares se faz presente, em especial, no Interior. Segundo pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), cerca de 70% das cidades brasileiras dependem de repasses externos devido a baixa arrecadação e movimentação de renda nas localidades. Isso potencializa a força dos grupos que passam a ser os maiores provedores de desenvolvimento e empregos nos municípios. O resultado é o uso da estrutura pública para a perpetuação dos grupos.

Confira algumas das principais famílias que fazem parte da política pernambucana:
Os Coelhos - Quatro gerações de poder

Um legado que ultrapassou quatro gerações, está hoje nas mãos do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB) e dos seus filhos Miguel Coelho (prefeito eleito de Petrolina) e Fernando Filho (ministro de Minas e Energia). Os três representam, atualmente, a maior força política do Sertão pernambucano. A força política deste grupo familiar se iniciou com Clementino Coelho, conhecido como Coronel Quelê, e Dona Josefa, que tiveram tiveram seus 11 filhos e mal sabiam que sua liderança política na Região do São Francisco iria se espalhar da República Velha por mais três gerações de poder. A força da família e sua influência na Região criaram um núcleo que se estende até hoje na política pernambucana. Nos tempos de Quelê, os Coelhos comandavam um forte capital com hotéis, construtoras, indústrias e alimentos. Um império que ajudou a construir a carreira dos seus herdeiros e está de pé até hoje. Sua hegemonia na política local só foi ameaçada por uma liderança, João Barracão, que foi prefeito do município em 1947 a 1951, desafiando a dinastia familiar.

Com a morte de Clementino Coelho aos 67 anos, coube a Dona Josefa ser a mentora da família Coelho. A senhora de origem humilde acabou virando a maior referência política do São Francisco. Presidentes, governadores e autoridades que visitassem a Região tinham como parada obrigatória a casa de dona Josefa. Sua liderança foi o esteio da carreira política de seus filhos Nilo Coelho, Gercino Coelho, Osvaldo Coelho, José Coelho e Geraldo Coelho. Todos foram para a política, mas tinham em Dona Josefa o norte das suas carreiras. 

Campos/Arraes - Um legado em disputa

Da figura quase mítica e cultuada por populares de Miguel Arraes de Alencar até o estilo moderno e ambicioso de Eduardo Campos, a nova geração das famílias Campos-Arraes tentam levar adiante um legado que é alvo, hoje, de uma disputa entre os Campos - aliados da nova geração do PSB - e os Arraes, mais ligados aos líderes antigos da sigla. Resquícios de perdas que ocorreram cedo demais, principalmente, a de Eduardo, morto em um acidente aéreo em 2014.

A história do grupo começa na saga de Arraes do Sertão do Ceará até Pernambuco. Arraes foi trazido para a política foi Barbosa Lima Sobrinho, que o convidou para ser seu secretário da Fazenda. Foi eleito pela primeira vez em 1962, em uma disputa acirrada e fortemente ideológica. Com a ditadura militar foi exilado na Argelia e somente retornou em 1979, com a anistia. Na volta, disputou mais três vezes o Governo do Estado, saindo vitorioso em duas delas (1986 e 1994). A derrota mais amarga foi em 1998 para o arqui-inimigo na época Jarbas Vasconcelos.

Foi na volta de Arraes que a liderança do seu neto Eduardo cresceu. E foi ganhando, a cada ano, mais espaço dentro do partido. Foi deputado estadual, secretário da Fazenda e deputado federal. A divisão ocorreu quando ambos resolveram disputar em 2002 uma vaga para federal.

Com a morte de Eduardo, foi iniciada a divisão que tem de um lado a viúva Renata Campos e de outro o irmão do ex-governador, o advogado Antônio Campos. No meio dessa disputa, uma incógnita: a ministra do TCU, Ana Arraes. Sua volta é incentivada por parte do partido para resgatar a força dos históricos do PSB diante da nova geração, mas a ex-deputada permanece em sigilo, observando de longe a disputa que atinge o seio familiar. 

Família Lyra - O legado nas mãos de Raquel

Após duas gerações formadas, exclusivamente, por homens, o legado da família Lyra repousa nas mãos da primeira mulher eleita prefeita de Caruaru, Raquel Lyra. Única representante da terceira geração do grupo, ela é a aposta para o futuro da família que começou a construir sua história em Caruaru pelo mascate e caminhoneiro João Lyra Filho, que, em meio às viagens, estacionou seu veículo na cidade e nela começou a desenhar seu futuro político. De vendedor de automóveis, ele se tornou empresário do ramo de ônibus intermunicipais e prefeito de Caruaru por duas vezes, em 1959 e 1972.

Seus dois filhos, João Lyra Neto e Fernando Lyra, seguiram os passos do pai na política, mas com rumos diferentes. Lyra Neto fincou seus pés em Caruaru, enquanto Fernando tinha como palco Brasília. O primeiro participou do movimento estudantil, se dedicou aos negócios da família e eleito prefeito de Caruaru por dois mandatos em 1988 e 1997. Já Fernando Lyra foi deputado federal por oito mandatos consecutivos, foi um dos articuladores da eleição de Tancredo Neves e ministro da Justiça no Governo Sarney. A atual prefeita Raquel Lyra foi a única herdeira a continuar na política.

Veja o vídeo com o cientista político Vanuccio Pimentel, que analisa as raízes da cultura política local, a partir do poder das famílias tradicionais:
Da Folha de Pernambuco

Nenhum comentário: