ARARIPINA

ARARIPINA

GOVERNO PERNAMBUCO

FLOCÃO NOVO MILHO

ALIANÇA

SQS

SQS

BANNER DAVID

BANNER DAVID

HMSM 50 ANOS

HMSM 50 ANOS

O BLOG NO FACEBOOK

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

PLANEJAMENTO - MINISTRO DE QUE GOVERNO ESTÁ EM ESTADO DE ATENÇÃO E PREOCUPAÇÃO COM A ECONOMIA

O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, disse hoje (5) que o "governo está sempre em estado de atenção e preocupação” com a economia. 

Ao comentar a projeção feita por instituições financeiras de piora do Produto Interno Bruto (PIB, soma de todas as riquezas produzidas pelo país) para o próximo ano, o ministro afirmou: "2017 é um longo ano, ainda temos tempo para trabalhar e garantir esse crescimento. O governo está sempre em estado de atenção e preocupação com a economia. Não é o indicador de uma semana que muda a nossa situação.”

Saiba Mais


Oliveira participou, nesta segunda-feira, da abertura da 3ª Conferência Nacional de Produtores e Usuários de Informações Estatísticas, Geográficas e Ambientais, no Rio de Janeiro.

“Nós desejamos que a economia se recupere o mais rapidamente e fortemente possível. Mas é preciso que tenhamos a compreensão de que nós estamos num processo longo de deterioração da economia. Recuperar essa economia demandará esforços grandes e decisivos do governo que estão sendo feitos tanto na área fiscal quanto na área das regulamentações”, acrescentou.

Oliveira negou que esteja preparando algum pacote de medidas para acelerar a retomada econômica. “Não estamos preparando pacotes, O que temos é uma ação de governo, que já implementou várias medidas e ações e que naturalmente continuará atuando dessa maneira, trazendo propostas, alterando a legislação quando necessário, que abrem espaço para o desenvolvimento da economia”.

Entre as ações tomadas pelo governo, o ministro citou a desregulamentação no setor de petróleo para atrair investimentos, a retomada do processo de privatização de empresas deficitárias, o lançamento de programas de parceria público-privada com a concessão de diversas áreas de infraestrutura, como os editais para a concessão de quatro aeroportos.

O ministro reconheceu que o país atravessa “grandes” desafios. “O Brasil não sofre restrição de ordem externa, mas os problemas são de ordem interna. O primeiro passo é a disciplina e a transparência fiscal com elementos importantes como a PEC que limita os gastos do governo, na sequência, talvez até hoje mesmo, o início do processo da reforma da Previdência, e um processo detalhado de avaliação das despesas públicas do governo federal, com a revisão do auxílio doença”, disse, no evento.

Da Agência Brasil

Nenhum comentário: