ARARIPINA

ARARIPINA

GOVERNO PE

FLOCÃO NOVO MILHO

ALIANÇA

SQS

SQS

BANNER DAVID

BANNER DAVID

HMSM 50 ANOS

HMSM 50 ANOS

O BLOG NO FACEBOOK

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

PESQUISA - REINO UNIDO E BILL GATES ANUNCIAM PLANO DE 3 BILHÕES DE LIBRAS CONTRA A MALÁRIA

O bilionário e filantropo americano Bill Gates e o ministro britânico das Finanças anunciaram nesta segunda-feira um plano de três bilhões de libras (US$ 4,28 bilhões) para erradicar a malária, chamada de "assassino mais letal do mundo".

O valor será liberado ao longo de cinco anos para financiar a pesquisa e apoiar os esforços para acabar com a doença transmitida por mosquitos, afirmam o ministro George Osborne e Bill Gates em um artigo publicado no jornal The Times.

"Quando falamos de tragédia humana, nenhuma criatura causa tanta devastação como o mosquito", afirmam no texto. "Ambos acreditamos que um mundo sem malária deve ser uma das prioridades mundiais de saúde", completam.

Em cada um dos cinco anos do plano, 500 milhões de libras serão liberados do orçamento britânico de ajuda ao desenvolvimento e a Fundação Bill Gates entregará, em 2016, 200 milhões de dólares, que serão seguidos por outras doações.

De acordo com o relatório de 2015 da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a malária no mundo, 214 milhões de novos casos de malária provocaram a morte de 438.000 pessoas no no passado, apesar da doença ter tratamento e cura.

A malária mata sobretudo as crianças. Os menores de cinco anos representam dois terços dos óbitos, segundo o documento. Nos últimos 15 anos foram registrados avanços consideráveis nas técnicas para controlar a doença, mas estão ameaçados pela crescente resistência do inseto aos remédios e aos inseticidas, segundo a OMS.

"Caso não sejam lançados novos inseticidas até 2020, a situação será crítica e o número de mortos pode disparar", advertiram Osborne e Gates, que afirmaram estar "otimistas com a possibilidade de erradicar a malária". A malária é um dos principais desafios de saúde pública no mundo, com mais 40% da população vivendo em regiões de risco.

Da AFP

Nenhum comentário: